quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Ainda Jobs

Concluí a leitura da biografia de Steve Jobs, que recomendo. Está bem escrita, e aparentemente trata da vida de Jobs de forma imparcial, pelo menos tanto quanto isso é possível. Aponta seus defeitos, vícios e virtudes. Mas o interessante é ver a trajetória do ser humano, uma trajetória de vida admirável, conquanto prematuramente encerrada. Suas escolhas, seus sucessos e seus fracassos, arrependimentos... Ler uma biografia, de algum modo, é uma forma de aprender com as experiências de outra pessoa sem ter de sofrê-las na própria carne. Interessante.
Mas o que me mais chamou a atenção quando da conclusão da leitura, por enquanto, foi outro aspecto de ordem "epistemológica". Eu já tinha frequentado algumas lojas da Apple, e nunca tinha prestado atenção a certos detalhes. Depois de ler a biografia, tive a oportunidade de visitar duas delas, e não pude deixar de perceber os vidros, as escadas, a localização, e lembrar o quanto tudo isso representou uma quebra de paradigmas. As lojas de informática, até então, eram feias e situadas em locais distantes dos grandes centros. A idéia era a de que um computador era um item caro, comprado depois de muita reflexão, não sendo objeto de compra de impulso. Assim, não se justificaria ter uma loja em locais movimentados. Tampouco seria justificável ter uma loja bonita, com uma escada de vidro suspensa e paredes de vidro com lâminas enormes. A AppleStore rompeu com tudo isso, e em poucas semanas vendeu o que as concorrentes vendiam durante todo um ano.
A loja nada tem com a epistemologia, é verdade: epistemológico foi observar o quanto um objeto (a loja), que eu já tinha visitado, pareceu-me, depois de ler o livro, totalmente diferente, sendo possível perceber aspectos antes ignorados, embora estivessem lá desde o começo. Um homem não cruza duas vezes o mesmo rio...


4 comentários:

Fabrício Andrade disse...

Obrigado, professor pela ilustre visita lá no blog. Um grande abraço.

Anderson Pereira disse...

É um ótimo livro. Prefiro livro físico, mas este eu li em menos de uma semana, no computador.

A visão de Steve Jobs era formidável. A forma como ele superou tudo o que passou, realmente, é uma lição de vida.

Vale a pena a leitura.

Izabelle disse...

Sim, Dr. Hugo, também percebi isto, mas com seu dom da palavra, consegue traduzir nossos pensamentos com perfeição. Parabéns pelo Blog!

Hugo de Brito Machado Segundo disse...

Obrigado, Izabelle.

Também prefiro o livro físico, Anderson, embora tenha vários no iPad. O meio eletrônico é imbatível para armazenar, transportar e pesquisar textos (por palavra, por assunto etc.), mas ainda gosto de manusear o livro impresso e sentir o cheiro e a textura do papel... Veremos, com o tempo, se isso vai ficar uma "mania de velho"...

Ocorreu um erro neste gadget