segunda-feira, 7 de janeiro de 2008

Alcance da internet


Estou impressionado.
No hotel no qual estou hospedado em Marrakech, um Ryad antigo situado em Medina, não há telefone. Mas há internet wi-fi!!!
Bom, mas posto isso apenas para registrar o avanço das novas tecnologias, e o sinal, bastante claro, de que a internet irá incorporar e suplantar as tecnologias anteriores, tais como telefone, fax etc...
Afinal, para que telefone, submetido a elevados interrurbanos, se se pode transmitir som, imagem e dados por velocidade alta e praticamente de graça?


Atualização: A foto do momento em que fiz esta postagem inicialmente.


5 comentários:

George Marmelstein disse...

Pois é, Hugo.
Como professor de direito da informática e de direitos fundamentais, penso que já está na hora de se começar pensar em um direito fundamental à internet.
O texto constitucional seria mais ou menos assim: "É assegurado a todos o acesso à internet, cabendo ao Poder Público desenvolver políticas públicas de inclusão digital para os setores economicamente desfavorecidos".
Nunca escrevi nada sério a respeito, mas a idéia não é de todo absurda....
George Marmelstein

caiomeiota disse...

A respeito do seu post sobre a biografia de Albert Einstein. Tenho uma informação que talvez ajude em algo, se ela já não for conhecida. Exite uma obra com várias entrevistas de personalidades brasileiras em 3 volumes chamada "A HISTÓRIA VIVIDA", organizada por LOURENÇO DANTAS MOTA, em que consta uma entrevista com Pontes de Miranda onde são revelados, entre outras coisas interessantíssimas da vida do grande jurista, vários detalhes da sua relação com Albert Einstein, dizendo inclusive que os dois se tornaram amigos. Não lembro extamente em qual volume consta a entrevista, mas vale a pena adquirir os 3. Os detalhes da obra podem ser vitos nesse link http://www.traca.com.br/seboslivrosusados.cgi?mod=LV23059&origem=resultadodetalhada e neste site (www.estantevirtual.com.br) consta para a venda, por um preço ínfimo, todos os volumes.

caiomeiota disse...

Complementando o comentário anterior, a entrevista com Pontes de Miranda consta do volume III da obra citada, páginas 203 - 221. Se desejar posso digitalizar as páginas do livro e enviá-las, basta indicar um e-mail para envio. Caio.

Hugo de Brito Machado Segundo disse...

George,
Não é nada absurdo falar-se em direito fundamental à internet.
Aliás, a última escala de minha viagem foi em Cabo Verde. Fiquei dois dias na ilha do sal, onde, por sinal, o "kite surf" é uma febre. Pois bem. Enquanto esperava o táxi para nos levar ao aeroporto, assistia ao telejornal, e via autoridades locais falando da necessidade de interligar todas as ilhas que compõem o país à internet, o que seria essencial à dignidade do cidadão caboverdeano, por lhe proporcionar integração em tempo real com o mundo etc.
Só lembrei de você, pois já tinha visto esse seu comentário.
Escreva sobre o assunto. É promissor. E como toda idéia nova, pode parecer um tanto estranha, principalmente aos mais ortodoxos. Mas se todos só repetissem as mesmas coisas, ainda estaríamos a desenhar bisões em cavernas. E sempre os que quiseram dar um passo à frente foram criticados pelos mais reacionários. Basta ver a biografia das personalidades que marcaram a história: foram todos uns inconformados (no bom sentido) com os paradigmas vigentes.

Hugo de Brito Machado Segundo disse...

Caio,
Obrigado por sua indicação.
Procurarei o livro.
Se você puder, só para matar logo minha curiosidade, e já que você se ofereceu para isso, meu e-mail, para o envio do trecho referido, é hugo.segundo@gmail.com

Ocorreu um erro neste gadget